Tribunal de Justiça anula júri da Boate Kiss

Em decisão de 03/08, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul determinou a nulidade do júri que condenou os réus do caso da Boate Kiss.

A decisão deu provimento ao recurso de apelação criminal manejado pelos advogados de defesa.

O caso envolve o incêndio ocorrido em 27/01/2013 na cidade de Santa Maria-RS, que acarretou a morte de 242 pessoas.

 

Quais penas foram aplicadas aos réus da Boate Kiss?

O júri havia condenados os réus às seguintes penas:

Elisandro Spohr: 22 anos e 6 meses de reclusão.

Mauro Hoffmann: 19 anos e seis meses de reclusão.

Marcelo de Jesus: 18 anos de reclusão.

Luciano Bonilha: 18 anos de reclusão.

 

Por que o júri da Boate Kiss foi anulado?

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul decidiu, por 2×1 (maioria), anular o júri da Boa Kiss com base nos seguintes argumentos:

  1. A escolha dos jurados ocorreu em 03 sorteios – enquanto o CPP estabelece que apenas 01 sorteio;
  2. O juiz conversou em particular com os jurados – não é permitido qualquer contato com os jurados sem a presença do juiz, do MP e dos advogados de defesa;
  3. Algumas perguntas feitas pelo juiz se referem a questões que não constam nos autos do processo;
  4. O assistente de acusação citou o silêncio dos réus como argumento de condenação;
  5. O Ministério Público usou uma maquete em 3D da Boate Kiss, desequilibrando a força entre acusação e defesa, e sendo disponibilizada sem prazo suficiente para que a defesa se manifestasse.

 

 

Não é cadastrado no JusDocs?

Acesse milhares petições jurídicas utilizadas na prática!

últimos artigos adicionados